NOVO REMÉDIO PARA ENXAQUECA PROMETE MELHORAR A VIDA DE MUITA GENTE

MONTE A FARMÁCIA DO SEU BEBÊ EM CASA
23 de maio de 2018
plano de saúde
31 PLANOS DE SAÚDE SÃO SUSPENSOS POR FALTA DE COBERTURA ASSISTENCIAL
4 de junho de 2018

Saúde

NOVO REMÉDIO PARA ENXAQUECA PROMETE MELHORAR A VIDA DE MUITA GENTE

A enxaqueca atormenta a vida de muita gente. Segundo algumas estimativas, é a terceira doença mais comum no mundo e está entre as dez principais causas de incapacidade. As crises podem durar muitas horas e, além da dor desnorteante, podem causar náuseas e sensibilidade à luz e ao som. Por sorte, os estudos ao redor do mundo não param e uma nova medicação foi aprovada, na última semana, nos EUA, pela Food and Drug Administration (FDA) – agência equivalente à Anvisa no Brasil – e promete mudar a condição e tratamento dessa doença.

A injeção Aimovig, fabrigada pela Amgen e Novartis pode ser administrada pelo próprio paciente e deve ser aplicada mensalmente. O valor estimado, convertido em real, é R$25.865,00 por ano. Nos EUA, deve começar a ser vendido esta semana. Apesar do preço inicial “salgado”, o remédio traz uma nova perspectiva para aqueles que sofrem com a enxaqueca e utilizam composições fabricadas para combater outras doenças como antidepressivos e anticonvulsivantes. Os estudos que levaram ao desenvolvimento do medicamento começaram na década de 1980, segundo o New York Times.

 

Os efeitos colaterais relatados pelas pessoas que testaram a nova droga não eram diferentes daqueles que tomaram placebo. Ela não previne todas as crises de enxaqueca, mas as torna menos severas e reduzem sua frequência em 50% ou mais. Apesar disso, os estudos continuam para avaliar os efeitos do uso a longo prazo e entre pessoas com doenças crônicas. O estágio final do estudo avaliou 667 pacientes com enxaqueca crônica (com mais de 15 dias de crise por mês) e constatou que após três meses, pacientes tratados tiveram 75 dias a menos de crises que os não-tratados. Segundo a Academia Brasileira de Neurologia, 18% da população brasileira (cerca de 37 milhões de pessoas) sofre com a enxaqueca.

No Brasil, dados do Ministério da Saúde apontam que a condição é mais comum entre mulheres, chegando a 25% de incidência, mais que o dobro da prevalência entre os homens. A doença também atinge entre 3% a 10% das crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =